Please reload

Posts Recentes

Saiba como se prevenir do coronavírus com as informações do ministério da saúde

March 30, 2020

1/9
Please reload

Posts Em Destaque

A saga da hidroxicloroquina: OMS e The Lancet se pronunciam novamente

     Semana passada (01 de junho) fizemos um post aqui no site sobre uma pesquisa quanto ao tratamento da COVID-19 com cloroquina (CQ) e hidroxicloroquina (HCQ), mas desde então alguns acontecimentos controversos seguiram. Portanto hoje trazemos um resumo destes ocorridos, para ajudar a entendê-los.

 

     No Brasil, o primeiro evento relevante ocorreu antes mesmo da publicação da pesquisa, dia 20 de maio (quarta-feira) o Ministério da Saúde (MS) divulgou as diretrizes para o tratamento precoce da COVID-19 com CQ e HCQ, ou seja, permitindo com a orientação do médico e o consentimento do paciente o uso destes, mesmo sem pesquisas, na época, que garantissem eficácia, benefícios e riscos.

 

     Na sexta-feira (22 de maio) a revista científica The Lancet publicou o artigo que afirmava ter analisado dados de mais de 600 hospitais e 96.000 pacientes, o estudo apontava tais medicamentos como não efetivos para COVID-19 e que ainda aumentavam o risco de arritmias cardíacas e a taxa de mortalidade quando utilizados. Tal publicação repercutiu mundialmente, pois além dos resultados serem comprometedores era o maior estudo feito até então.

 

     Com isso, a OMS (Organização Mundial da Saúde) suspendeu no dia 25 de maio (segunda-feira) o uso destes medicamentos em testes clínicos que coordenava com cientistas de todo o mundo, sendo que anteriormente já havia anunciado ser contra o uso amplo, como para casos leves e moderados da doença.

 

     Na quinta-feira daquela semana (28 de maio) foi publicada uma carta aberta à revista The Lancet, que contava com a assinatura de mais de 120 estudiosos e profissionais questionando a veracidade do estudo publicado anteriormente. Na carta foram apontadas questões duvidosas ou irregulares, como a forma de análise dos dados e a falta de um comitê de ética. Este documento repercutiu em grande escala no mundo, pois além de serem questionamentos válidos, mudaria o cenário completamente mais uma vez.

 

     Enquanto isso, no Brasil, o Ministério das Relações Exteriores divulgou no dia 31 de maio (domingo) o acordo que foi assinado com os Estados Unidos da América (EUA) para que este enviasse dois milhões de doses de HCQ e 1000 ventiladores para o Brasil, afirmando que o medicamento será utilizado de forma profilática (prevenção) para profissionais da saúde e no tratamento de brasileiros infectados.

 

     Naquela quarta-feira (03 de junho) a revista The Lancet publicou oficialmente em seu site uma nota de preocupação em relação ao seu controverso artigo divulgado anteriormente. Ainda afirmou que uma audiência, requisitada pelos autores independentes da Surgisphere (empresa de análise dos dados), segue para investigar a procedência e a validade dos dados do estudo.

 

     No mesmo dia, a OMS anunciou a retomada dos ensaios clínicos com CQ e HCQ, pois a decisão anterior foi tomada com base no aumento de mortalidade descrito pelo estudo em questão, mas que após revisão da OMS não foi observada essa diferença de mortalidade, portanto recomendou a continuidade dos testes.

 

     O último evento que fecha essa linha do tempo aconteceu na sexta-feira da semana passada (05 de junho), onde a revista The Lancet divulgou em seu site uma carta de retratação feita pelos autores do artigo. Nela foram expostas as medidas tomadas para reavaliação do estudo e algumas informações esclarecendo pontos questionados pela carta aberta do dia 28. Os autores ainda afirmam como é importante manter altos padrões de ética e profissionalismo nas pesquisas científicas, que em decorrência disso não podem mais garantir a veracidade dos dados publicados e, portanto, pedem que o artigo seja desvalidado. Por último declaram “Lamentamos profundamente, a vocês editores e leitores da revista, por qualquer constrangimento ou inconveniência que isso possa ter causado.”

 

     Então, atualmente, as pesquisas com CQ e HCQ seguem acontecendo por pesquisadores do mundo todo, mas ainda sem resultados oficiais. Assim como, no Brasil, segue em vigência o protocolo de uso destes medicamentos em casos leves e moderados, porém outros órgãos competentes, como o CFF (Conselho Federal de Farmácia) mantém seu posicionamento contra o uso deles.

 

 

Para acessar nosso post da semana passada clique aqui.

Para acessar a carta aberta clique aqui.

Para acessar nota sobre acordo EUA-BR clique aqui.

Para acessar a nota de preocupação da The Lancet clique aqui.

Para acessar a retratação da The Lancet clique aqui.

Para acessar orientações do CFF aos farmacêuticos clique aqui.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Rua Antônio da Veiga, 140 - Itoupava Seca 89030-903 - Blumenau - SC

(47) 33217327 

        MIMe - Núcleo de Informações sobre Medicamentos,

      Referência em informação sobre Uso Racional de Medicamentos (URM).